sábado, 18 de julho de 2015

do sol as sombras pairam

pelas tuas costas
meio à janela ciana
o seu rosto segue
a vinda contornada
isso sustentando-te  

pássaro plaina em
depois outro mais outros
dentre os prédios
rastreando ultrapassarem
o céu
de meia tarde e dois
ao que ao mais

pessoas
tetos
e os ares entre
de meia tarde
                       e
                  dois
as pessoas e os tetos
se se lhes alheie 

percorro pelos ônibus
para com depois destro
novas lojas de que onde
estudante não trabalho eu
enfeites em vendas para
casa – você tem uma beleza

diferente; alheia  – mas
solto os cômodos só que
dela além se se mos acolhe
paredes tantas vêm que
estas me andadas juntas
juntadas com que eu as vou
andando lhe para cada o

   além                                                  
   rumos que ladeiam as gramas
   a brisa coberta por certas pilastras abertas
   de mais          
   como quando nós caminhávamos


Eduardo M.P. Félix

Nenhum comentário:

Postar um comentário